quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Porquê foram só algumas vezes.

Eu não sei o que acontece quando eu te vejo. Perco a fala, meus pensamentos fogem de mim, como alguém foge do atendente da C&a, Perguntando:
- Senhora, você já possui nosso cartão?
Na minha cabeça não passa nada, fica tudo em silêncio, desconfio que meu coração se esconde atrás de um armário, num quarto escuro com olhos arregalados, de quem acabou de ver um fantasma, ofegante como alguém que correu uma maratona, e com o medo de alguém que por três segundos escapou da morte. Sim, meu coração assim como meus pensamentos, pára por alguns segundos quando estou sozinha, do seu lado.
Fica tudo assim, calado.
Até uma simples pergunta como "tá tudo bem?", "o que você fez final de semana?" seria capaz de enrolar a minha língua num nó de marinheiro daqueles bem complicados, e fazer com que eu gaguejasse mais do que quinze sílabas, antes de responder, "tu-tu-tu-do","saí com mi-minhas amiga-ga-ga-gas",  e "e vo-vo-vo-você?".
Sim, pareço ter 15 anos. Na verdade, de fato viro uma menina de 15 anos nesses instantes.
Fica tudo assim, respostas gaguejadas, e perguntas envergonhadas, logo, tudo fica em silêncio.
Mas se um dia você tivesse vontade, coragem ou qualquer outra coisa, e me fizesse uma pergunta:
- Você se arrepende de ter ficado comigo?
Eu responderia:
Um simples e seco, "Sim".
E durante o silêncio que ficaria, eu estaria rezaaaando pra você perguntar.
"Por que?"
E então, eu responderia:
- Me arrependo porque foi só uma, duas, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez vezes.
Me arrependo porquê mesmo que a gente não case, não namore, não tenha filhos, eu gosto de estar com você. E isso pra mim, vale mais do que qualquer coisa intitulada "séria". Gosto de estar entre seus braços pseudo-sarados, dormindo, ou acordada.
Gosto do seu abraço.
Gosto de sentir seu peito nas minhas costas enquanto a gente dorme, como viemos ao mundo.
Gosto de sentir o seu beijo por todo meu corpo. E sua mão passeando por onde você tivesse vontade, e por onde eu deixasse.
Gosto da sensação de estar sentada do seu lado na sala de estar, e enquanto seu tio vira pro lado, você rapidamente passa sua mão, onde meu pai nunca poderia ver. Me fazendo sentir um calafrio que sobe pelos pés, passando por todo meu corpo, e subindo em direção do meu estômago, e ali aquela sensação fica. Em questão de segundos, tive vontade de estar ali, sozinha, mas só com você. E seu tio nem desconfiou. Nos olhamos, e sorrimos, como cúmplices de um só desejo; Que todas aquelas pessoas sumissem, inclusive seu tio.
Gosto de ver o seu sorriso, e sentir ele enquanto me beija.
Gosto quando passa seu dedo nos meus lábios, me fazendo sentir desejada, e com mais vontade ainda de te beijar.
Gosto quando beija minha testa.
Gosto quando aperta minha bunda.
Gosto quando faz carinho no meu cabelo.
Gosto quando você me ama baixinho, enquanto sua mãe prepara ali na cozinha o lanche da tarde.
Gosto quando ri da minha cara, quando faço idiotice, e fico querendo saber o porquê você tá rindo.
Gosto quando faço carinho no seu cabelo, e digo que ele é feio e duro. E você também. Não digo em momento nenhum que pra mim, você é bonito.
Pra mim, você tem a imensidão num olhar. Pra mim, você me invade como um amor de cinema. Não digo, não assumo. Você não aguenta uma simples mensagem, imagina se eu jogasse essa enxurrada de sensações pra cima de você.
Mas, se algum dia você me perguntar  o porquê eu me arrependo de ter ficado com você, eu direi:
- Por que foram só algumas vezes.




Tô aprendendo também...

Nenhum comentário:

Postar um comentário